Entre em contato: (55 11) 2872-6640
Compartilhe:

O que Você não vê, é o que nós encontramos.

MAPEAMENTO VETORIAL POR CAMPO ELÉTRICO: MÉTODO NÃO-DESTRUTIVO PARA DETECÇÃO DE INFILTRAÇÕES

 

Autor: Engº André Fornasaro
Empresa: ILDBRASIL - Consultoria e Serviços
Rua Marco Aurélio, 541
05048-000 – São Paulo/SP
Palavras-chave: Tecnologia não-destrutiva; detecção; infiltrações.

 

INTRODUÇÃO
Quando se tem infiltrações em áreas impermeabilizadas, o grande problema é que sempre se sabe o local em que a água infiltrada está saindo, mas quase nunca se sabe onde está a falha na impermeabilização que permitiu que ela penetrasse na edificação, principalmente porque no Brasil, a maioria das impermeabilizações nunca fica visível, sendo recoberta pelos revestimentos, quer decorativos, quer de proteção mecânica. Umas das soluções possíveis para este tipo de problema é o que vamos apresentar neste trabalho.

 

MÉTODOS PARA TESTAR A ESTANQUEIDADE E MÉTODOS PARA DETECTAR AS INFILTRAÇÕES QUE OCORREM NAS IMPERMEABILIZAÇÕES
Para um melhor entendimento de todas as tecnologias disponíveis para se detectar a existência de infiltrações em áreas impermeabilizadas, vamos reforçar alguns conceitos de alguns dos métodos e tecnologias de testes de estanqueidade existentes que são utilizados na impermeabilização.


Inicialmente vamos definir o que é estanqueidade: é a propriedade que as impermeabilizações conferem às estruturas onde elas estão aplicadas de não permitir a passagem da água que ataca estas estruturas, quer seja sob a forma de chuva em áreas externas, quer seja por lavagem ou chuveiros em áreas internas das edificações ou pela presença permanente da água em reservatórios, por exemplo.

 

Teste de estanqueidade com lâmina d’água
O teste de estanqueidade com lâmina d‘água é o procedimento mais conhecido por todas as partes envolvidas na cadeia produtiva dos trabalhos de impermeabilização no Brasil: projetistas, fabricantes, aplicadores, empresas gerenciadoras de obras e contratantes dos serviços de impermeabilização.


Existem, todavia alguns vieses nos conceitos relacionados com o teste de lâmina d’água: inicialmente ele foi concebido para detectar falhas na execução dos serviços de impermeabilização com mantas butílicas, sistema este que utilizava a vulcanização a frio das emendas entre os rolos de butil. O butil é um material exatamente idêntico ao material das câmaras utilizadas nos pneus dos carros e caminhões.
Estas emendas por vulcanização a frio, quando submetidas ao teste de lâmina d’água, se estivessem mal feitas, apresentavam aberturas nas emendas e bolhas sob as mantas, provocadas pela pressão da água do teste. As aberturas eram facilmente identificadas a olho nu e imediatamente reparadas.

 

Quando foi feita a primeira versão da NBR-9952, norma da ABNT para as mantas asfálticas, na segunda metade da década de 1980, foi adotado o teste de lâmina d’água dentro da mesma concepção do que era feito para as mantas butílicas: o teste serviria para detectar falhas na execução das emendas e arremates dos serviços de impermeabilização.
Como o processo de aplicação das mantas asfálticas difere do processo de aplicação das mantas butílicas, principalmente por serem as mantas asfálticas aderidas ao substrato e entre si, quer sejam aderidas com asfalto modificado quente ou pela soldagem autógena com maçarico de GLP, não ocorrem as tais aberturas nas emendas eventualmente mal feitas nas mantas asfálticas da mesma maneira que ocorriam nas mantas butílicas; o teste passou então de teste de verifcação da estanqueidade das emendas entre os rolos de manta asfáltica e os vários tipos de arremates, para se tornar o atestado oficial de que a impermeabilização estaria 100% estanque, o que não é verdade.


Tanto no caso das mantas butílicas como no caso das mantas asfálticas, nas 72 horas que é o tempo preconizado para a duração do teste, dificilmente a água conseguiria atravessar a camada de argamassa de regularização da área impermeabilizada e a própria estrutura de concreto armado. Estas 72 horas não são suficientes para saturar completamente estas duas camadas, pois só a partir da saturação completa é que começariam a aparecer as infiltrações na estrutura.


Este é um breve resumo da distorção que se instalou a respeito da interpretação do resultado do teste de estanqueidade de uma impermeabilização com lâmina d’água; todavia, este é o método mais conhecido em todo o mercado da construção brasileira.

 

Teste de estanqueidade por mapeamento vetorial de campo elétrico – EFVM®

Como o próprio nome indica, o mapeamento vetorial de campo elétrico é um método de teste de estanqueidade de impermeabilizações que utiliza eletricidade com uma tensão muito baixa, criando uma diferença de potencial entre uma superfície não-condutora de eletricidade, que é a camada de impermeabilização e uma peça estrutural (concreto armado ou estrutura metálica) condutora de eletricidade; esta estrutura está normalmente aterrada, pois além dos sistemas de proteção contra descargas elétricas da atmosfera, quando uma estrutura está inserida no solo, ela fica praticamente “aterrada” em relação às tensões elétricas de utilização normal nas edificações. Não estamos aqui mencionando os sistemas especiais de aterramento de subestações nem de equipamentos elétricos de alta potência.


Vejamos como funciona esta tecnologia: é montado um circuito elétrico provisório sobre a área a ser testada, conectando-se este circuito ao equipamento EFVM®, que gera um pulso elétrico de baixa voltagem sobre a camada de impermeabilização - que não é condutora de eletricidade; um campo elétrico então se estabelece sobre a superfície da impermeabilização, impermeabilização esta que isola a diferença de potencial existente entre sua superfície não condutora de eletricidade e a estrutura da edificação que é condutora de eletricidade. Também é feita uma ligação entre a estrutura e o equipamento EFVM®, para que haja um fechamento de circuito.


Quem vai ser o elemento de ligação entre o campo gerado pelo equipamento EFVM® e a estrutura da edificação será a ÁGUA, que se acumula sobre as impermeabilizações durante a utilização normal de uma construção.Esta água também é condutora de eletricidade, portanto, quaisquer falhas que ocorram na impermeabilização (não condutora de eletricidade), deixam passar esta água que irá fazer com que ocorra uma ligação elétrica entre o campo gerado pelo equipamento EFVM® e a estrutura da edificação (condutora de eletricidade).


Esta corrente elétrica gera um fluxo vetorial, daí o nome desta tecnologia, que é detectado por sensores direcionais que também fazem parte da tecnologia EFVM® para localizar o ponto de entrada da água na estrutura com precisão milimétrica, solucionando este que é o maior problema das infiltrações: localizar o ponto onde a água entra na estrutura, pois o ponto por onde ela sai sempre está visível e fácil de localizar.
Vejamos esquematicamente o que foi explanado acima:

 

A. Pequenos pulsos elétricos são criados sobre a impermeabilização. O campo elétrico procura um ponto de aterramento.

 

B. Se a superfície estiver estanque, o campo elétrico permanece isolado e não encontra uma conexão com o aterramento.

 

C. Se a membrana não estiver estanque, existirá uma ligação feita pela água entre o campo elétrico gerado pelo equipamento EFVM® e a estrutura que está aterrada; a corrente flui em direção às perfurações e esses pontos de fuga de corrente é que serão detectados, localizando-se com precisão os pontos causadores das infiltrações, pois são os pontos de entrada da água na estrutura através das falhas da impermeabilização.

 

FORMAS DE UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA EFVM® NAS ÁREAS IMPERMEABILIZADAS
A partir do que foi exposto acima, quando se vai testar a estanqueidade de uma impermeabilização que está sendo executada, o teste com lâmina d’água pelo prazo de 72 horas não apresentará um resultado conclusivo, ao passo que o sistema EFVM® permitirá atestar a estanqueidade da impermeabilização desta área.


PRIMEIRA CONCLUSÃO: É POSSÍVEL UTILIZAR O SISTEMA EFVM® PARA TESTAR IMPERMEABILIZAÇÕES NOVAS SEM O USO DE ÁGUA, COM 100% DE CERTEZA DE QUE A IMPERMEABILIZAÇÃO ESTARÁ ESTANQUE OU CASO ELA NÃO ESTEJA, COM 100% DE CERTEZA DE LOCALIZAR OS PONTOS FALHOS DESTA IMPERMEABILIZAÇÃO.


E o que dizer a respeito de áreas impermeabilizadas que já estejam em uso, com todos os seus revestimentos executados e estejam apresentando infiltrações?


O sistema EFVM® funciona mesmo em áreas que já estejam revestidas, podendo-se localizar os pontos falhos da impermeabilização mesmo que existam revestimentos com grande espessura ou áreas de jardineiras sobre estas impermeabilizações, por exemplo. Existe apenas uma limitação em relação aos revestimentos, que é a existência de armadura metálica no revestimento sobre a impermeabilização, como o piso de um heliponto sobre uma laje impermeabilizada: este piso sobre a impermeabilização tem armadura metálica de reforço, que interfere no campo elétrico gerado pelo equipamento EFVM®, impossibilitando sua utilização. A outra limitação está ligada aos materiais de impermeabilização: no Brasil, os materiais impermeabilizantes de base cimentícia são muito utilizados, mas são condutores de energia elétrica, portanto, não é possível testar impermeabilizações de base cimentícia com o sistema EFVM®; no exterior, existem alguns tipos de mantas elastoméricas à base de EPDM que também são condutoras de eletricidade, impossibilitando a utilização do sistema EFVM®.

 

SEGUNDA CONCLUSÃO: É POSSÍVEL UTILIZAR O SISTEMA EFVM® PARA TESTAR IMPERMEABILIZAÇÕES JÁ EXISTENTES QUE ESTEJAM APRESENTANDO INFILTRAÇÕES, DEBAIXO DE REVESTIMENTOS ESPESSOS, SEM O USO DE ÁGUA, COM 100% DE CERTEZA DE LOCALIZAR AS FALHAS NA IMPERMEABILIZAÇÃO.

 

Por outro lado, o teste com lâmina d’água numa área impermeabilizada e já revestida apresenta a mesma dificuldade de encontrar uma agulha num palheiro: do ponto de vista prático, a pesquisa das infiltrações passa por uma longa série de perfurações dos revestimentos, várias seqüências de testes com lâmina d’água num mesmo local. Se por acaso for localizada uma causa das infiltrações, ela terá sido encontrada muito mais devido a um grande golpe de sorte do que pela eficiência prática do método.

 

TERCEIRA CONCLUSÃO: É POSSÍVEL UTILIZAR O SISTEMA EFVM® PARA TESTAR IMPERMEABILIZAÇÕES JÁ EXISTENTES QUE ESTEJAM APRESENTANDO INFILTRAÇÕES, DEBAIXO DE REVESTIMENTOS ESPESSOS, SEM O USO DE ÁGUA, COM 100% DE CERTEZA DE AFIRMAR QUE SE NÃO FORAM LOCALIZADAS FALHAS NA IMPERMEABILIZAÇÃO, ESTA IMPERMEABILIZAÇÃO ESTÁ ESTANQUE E A ÁGUA ESTÁ PENETRANDO NA ESTRUTURA POR OUTROS LOCAIS, NÃO PELAS ÁREAS IMPERMEABILIZADAS.

 

VANTAGENS DA TECNOLOGIA EFVM®
• Localização precisa de cada ponto causador das infiltrações; a tecnologia EFVM® é um método de testes com alto controle de qualidade;


• Pode ser utilizada tanto para testes de estanqueidade em áreas que estão sendo impermeabilizadas como para localização de causas de infiltrações em áreas já entregues aos seus usuários há vários anos;


• Permite testar áreas inclinadas e paredes verticais, o que é impossível com lâmina d’água;


• Eventuais falhas encontradas podem ser reparadas e testadas novamente no mesmo dia;


• A quantidade de água necessária para a realização dos testes é ínfima, pois ela é utilizada apenas para potencializar o sinal do campo elétrico, em contraposição a uma grande quantidade necessária para o teste com lâmina d’água, que além de tudo, após o teste será descartada;


• Condições meteorológicas adversas não vão atrapalhar a realização do teste (o piso molhado é perfeito para potencializar o fluxo do campo elétrico);


• As áreas testadas estarão liberadas imediatamente após o teste EFVM®;


• Elimina completamente as remoções dos revestimentos que são feitas quando se tenta localizar as causas das infiltrações pelo método da tentativa e erro. Só serão feitas remoções nos pontos onde forem localizadas as falhas;


• As impermeabilizações poderão ser testadas novamente antes do término do prazo de garantia da obra;


• As áreas poderão ser testadas em condições em que tenha ocorrido algum tipo de agressão da impermeabilização antes da aplicação dos revestimentos e rapidamente liberadas.

 


 

woolrich outlet moncler outlet moncler outlet online hogan outlet hogan outlet online moncler outlet moncler outlet online piumini moncler outlet piumini moncler outlet piumini moncler outlet piumini moncler outlet piumini moncler outlet nike tn pas cher nike tn pas cher nike tn pas cher nike tn pas cher nike tn pas cher woolrich outlet bologna woolrich outlet bologna woolrich outlet bologna woolrich outlet bologna woolrich outlet bologna